• início
  • contato
  • parceria
  • blogroll
  • Livros Resenhados

  • 01/09/2017

    Filme: Death note

    Olá, leitores!

    Primeiramente gostaria de esclarecer que sou uma fã do anime Death Note, então é inevitável eu não comparar ambas versões. Para quem não sabe do que se trata: Death Note é um caderno da morte, ou seja, quando é escrito o nome de uma pessoa nele, essa morre. Este caderno vai parar nas mãos de Light que resolve "fazer justiça" (entre aspas porque vai depender do seu conceito de justiça, mas o personagem acredita que sim), isto é, matar os criminosos. Bom, resumidamente é isso, para mais detalhes acesse. Vamos ao filme:

    Créditos: Netflix

    Uma das primeiras coisas que reparei foi que no filme este desejo de justiça não é esclarecido, no anime mostra que ele tinha tédio do mundo e queria mudar, esta questão é bem mais detalhada. Já na obra cinematográfica fica algo como: "achei um caderno da morte, posso usar para matar bandidos", assim do nada. Enfim, vamos a parte em que mais me incomodou: Mia (bem diferente da Misa do anime), Light mostra para ela que tem o poder de matar pessoas (já achei surreal acontecer isso, já que ele nem a conhecia direito) e ao invés dela fugir (alô! O cara mata pessoas! Alerta de maluco!) ela acha tudo lindo, excitante e resolve transar com ele.
    Aí você, leitor, se questiona: mas tudo é ruim neste filme? Para o seu alívio respondo: não. Eu gostei muito do Riuk, o deus da morte (shinigame), que acompanha o caderno. Achei fiel ao original e sinistro. A respeito do L, o detetive que vai investigar as mortes: embora não seja tão fiel quanto eu gostaria. Só para esclarecer: me refiro a algumas mudanças de personalidade do personagem e não a aparência física, os pontos positivos foram que mantiveram o jeito excêntrico de sentar (imagem abaixo) e o gosto por doces.

    Créditos: Netflix

    Acredito que se você, que assim como eu, é fã do anime, pode gostar se assistir com a mente aberta: há muitas mudanças, tanto de enredo, como de personagens. Se não ficar se prendendo ao original e tentar enxergar como algo novo, a trama nova é realmente interessante. Finalizo dizendo que: a Netflix não estragou o anime, ele está lá para quando quisermos rever.
    Já viram? O que acharam? Comentem. 

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    Eu curto literatura. Todos os direitos reservados.© - Powered by Blogger. imagem-logo