• início
  • contato
  • parceria
  • blogroll
  • Livros Resenhados

  • 01/03/2017

    Lendo clássicos: o crime do Padre Amaro, de Eça de Queiroz (resenha)

    Olá, leitores!

    Meu interesse pelo livro "O Crime do Padre Amaro" surgiu na universidade, quando um professor comentou de toda a polêmica que envolvia a obra: o tema pesado, o fato de ter sido censurado, entre outros. Confesso que comprei logo, em geral clássicos são baratos, mas relutei em pegar para ler, pois sabia que seria um desafio: devido ao português europeu e arcaico. Porém, este se tornou o primeiro livro do projeto "Lendo clássicos" aqui no blog.
    O enredo acredito que a maioria já conheça, mas me surpreendi demais com os detalhes que até então eram desconhecidos por mim. Bom, vamos lá: a obra se inicia no começo da carreira de padre de Amaro, quando é transferido para Leiria e vai morar na casa da Dona Joaneira. Parece que naquela época era costume padres se hospedarem em casas de família, e, também era considerado uma honra ter um padre morando ali. 
    Dona Joaneira tem uma filha, Amélia, e com a convivência em família, Padre Amaro e Amélia se apaixonam. A princípio Amaro faz de tudo para resistir à paixão, pois sabe que é padre e seria um pecado. Porém vendo a realidade dos padres, todos pecando, ele acaba sendo corrompido, vide a teoria do determinismo do meio.


    Foto: arquivo pessoal

    Já Amélia, personagem chata, não age, não tenta fugir da situação, se sente presa à paixão que sente pelo padre. Por várias vezes, tive vontade de entrar no livro e dar um choque de realidade na personagem, dizer que ele era um padre e mandá-la "acordar para a vida".
    E Amélia aterrada reconheceu a Joaninha Gomes, sua amiga da mestra, que fora amante do padre Abílio! [...] E também ela, como outrora a Joaninha, chorava sobre a sua costura quando o padre Amaro não vinha! Onde a levava aquela paixão?
    Amélia estava noiva de João Eduardo, que a idolatrava, a enxergava como uma mulher casta, religiosa e perfeita, mas, ao invés de escolher o caminho mais seguro que é o matrimônio, resolve se entregar ao amor pelo padre e vai arcar com as consequências disso. 
    Um ponto interessante da narrativa do Eça é que ele constrói muito bem os personagens; apesar de eu não gostar de ambos protagonistas, tenho que admitir que são bem trabalhados. Por isso, Acredito que a obra do Eça desperte sentimentos e envolva o leitor com o seu enredo.
    Com uma narrativa em terceira pessoa, ele nos mostra o passado dos personagens e o que faz com que eles ajam de determinada forma. Por exemplo, Amaro era órfão e não era seu sonho se tornar padre, talvez por isso sentia falta da liberdade que a vida religiosa não lhe proporcionava. 

    Por esse tempo começara a sentir um certo afastamento pela vida de padre, por exemplo não poderia casar. Já as convivências da escola tinham introduzido na sua natureza efeminada curiosidades, corrupções. Às escondidas fumava cigarros: emagrecia e andava mais amarelo.

    Acredito que Amaro, apesar de ser padre, lida com as situações de forma fria demais, sem demostrar sentimentos. Talvez por isso não tenha gostado do  personagem. Também tenho minhas dúvidas se ele realmente amava Amélia, talvez o que ele sentia fosse apenas uma atração física ou paixão (quem leu deixe sua opinião nos comentários: Amaro amava ou não Amélia?). 

    Foto: arquivo pessoal


     Apesar de eu ter a versão física do livro, iniciei a minha leitura no Kindle, pois ia pegar uma fila e ele é mais leve, e resolvi terminar de ler nele, visto que tem termos muito difíceis, tanto por ser um português europeu arcaico como por se tratar de igreja, sendo que há muitos termos relacionados  que eu não conhecia. No Kindle há um dicionário embutido, você clica na palavra e já aparece o significado na hora, então facilitou muito. Não é uma leitura fluida, demorei muito mais que o normal para terminar. Além da linguagem difícil, Eça aborda uma temática pesada, que por vezes me desanimou e fez com que eu intercalasse com leituras de livros leves no meio. Encarei a leitura como um desafio que de fato consegui superar. Não é um livro que recomendo para um leitor iniciante, mas com certeza recomendo para quem quer uma leitura desafiadora e diferente.

    Obs.: sei que o sobrenome do autor é encontrado em duas versões: Queirós e Queiroz, optei por usar a última que é a que está na capa do livro que li.

    Já leram? Pretendem ler? Conhecem a história? Comentem.

    30 comentários:

    1. Eu gosto muito de livros clássicos mas há tempos que não leio um; esse eu ainda não li mas agora fiquei curiosa.

      ResponderExcluir
    2. Oi
      Não li esse livro ainda, mas tenho alguns livros digitais de Eça de Queiroz e gostaria muito de ler em breve alguns deles, a maioria parece ter um ladinho meio misterioso.
      Também estou querendo ler os clássicos ultimamente.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Bom saber que tenho mais alguém comigo nessa vibe de ler clássicos :D

        Excluir
    3. Olá, tudo bem?
      Não sou muita fã da escrita de Eça, tive que ler um e não me adaptei.
      Então eu passo a dica, um beijo.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. É, o português europeu arcaico dificulta mesmo hehe

        Excluir
    4. Eu quero muito ler o livro, confesso que gostei muito do filme, mas já o vi há uns bons anos atrás. Não sei se vou gostar muito da escrita do autor até pq muita gente detesta... kkkkk... mas a trama é boa mesmo.

      Raíssa Nantes

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. É detalhista a escrita dela, além dos termos difíceis, então complica um pouco.

        Excluir
    5. Heiii, tudo bem?
      Anos que nao leio classicos, acho que por falta de oportunidade mesmo e hoje em dia todo dia tem tantos lançamentos que fico loka, hahaha.
      Adorei relembrar a historia, gostei mto na epoca que li e nao sei mais onde ta o meu exemplar.
      Mto boa a resenha, recomendo a leitura.
      Beijos.

      Livros e SushiFacebookInstagramTwitter

      ResponderExcluir
    6. Olá, justamente pelo tema pesado, ainda não li este. Estou procurando livros mais leves. Li outros livros do Eça na escola e faz um bom tempo que não releio nada dele. Obrigada por esta lembrança. Abraços!

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. De nada, é, de leve o livro não tem nada, até intercalei com outras leituras.

        Excluir
    7. Olá, me interessei muito pelo livro, sua análise foi ótima!

      ResponderExcluir
    8. Também gosto muito da nossa literatura nacional clássica. Estou lendo um curtinho também do Eça que é maravilhoso! estou apaixonada por ele. O livro se chama: Cartas d'amor. Fiquei super interessada nesse aí. Amei os quotes! Grata pela bela sugestão!

      Eliziane Dias

      ResponderExcluir
    9. Olá ♥
      Amei sua resenha, muito bem colocada. Não leio muitos clássicos então creio que é por esse motivo que não me senti atraída por esse livro, mas irei indicar para uma amiga que tenho certeza que ela irá adorar. Beijos!

      ResponderExcluir
    10. Menina faz tempo que não leio um clássico, preciso me redimir, a premissa do livro chama a atenção, o que desanima um pouco é a inércia da protagonista mencionada em sua resenha, mas pretendo dar uma chance ao livro, saindo um pouco de minha zona de conforto. beijos

      Joyce
      Livros Encantos

      ResponderExcluir
    11. Olá!
      Em primeiro lugar, parabéns pela resenha!
      Gostei muito dos pontos que você ressaltou, muito bem embasada.
      Não li a obra e confesso que ela não chamou muito a minha atenção. Mas não descarto a possibilidade de ler futuramente.
      Neijos.

      ResponderExcluir
    12. Oi
      Nossa, li esse livro há muitos anos.
      Realmente o tema é pesado. Mas acho que todos devem ler os clássicos da literatura em algum momento.
      Boa resenha.
      Bj

      ResponderExcluir
    13. Olá, tudo bem? Nossa, confesso que não sou muito de ler clássicos. A escrita arcaica é o principal ponto que me faz fugir e como você disse que esse livro não é recomendado para iniciantes não sei o que pensar haha De fato o que me faria ler ele é justamente o tema. Quem sabe no futuro, quando começar a ler mais o gênero eu pegue ele?! Sua resenha está ótima <3
      Beijos,
      diariasleituras.blogspot.com

      ResponderExcluir
    14. Oi linda,

      Li esse livro quando tinha 16 anos e foi um drama só, porque leio livros de Filosofia e Sociologia que são refinados até a alma no sentido de palavras, mas esse livro sendo de tempos passados e português tradicional acabou me deixando frustrada, porém depois tomei um ritmo bom e gostei. Claro que vou reler com um Kindle, porque tem um dicionário ao alcance das minhas necessidades.

      Beijos!

      ResponderExcluir
    15. Eu certamente teria alguma dificuldade em ler esse livro, não pelo tema, mas sim, a escrita. Porque se os de hoje já tenho dificuldade - ás vezes as palavras somem quando vou ler. Agora imagine com um português arcaico. Mas confesso que a história me chamou muiiiiiito a atenção.

      ResponderExcluir
    16. Oiii!

      Eu preciso tomar vergonha na cara começar a ler clássicos, mas e o tempo? Nunca consigo, fora que a linguagem arcaica me limitaria também, mas claramente é uma boa história.
      Gostei de ver que se desafiou!

      Beijinhos,

      ResponderExcluir
    17. Oi Tainan, tudo bem?! Clássicos ultimamente só se eu estivesse em um projeto como o seu, não que eu não goste é mais por falta de tempo mesmo. Esse particularmente eu conhecia de ouvir falar mas nunca li, achei sua resenha bem sucinta e muito elucidativa.
      Bjs

      ResponderExcluir
    18. Oie, tudo bem? Esse livro é um daqueles clássicos pedidos para o vestibular, junto com Dom Casmurro e outros. Já li vários livros desse gênero, mas esse em particular ainda não tive a oportunidade. A linguagem mais rebuscada é algo que me encanta e que sinto falta nos livros atuais. Enriquecemos muito mais nosso vocabulário ao ler clássicos. Parabéns pela resenha. Beijos, Érika ^^

      ResponderExcluir
    19. Preciso confessar que nem sabia que esse livro existia, apesar de já ter visto o filme sem ter a menor ideia que se tratava de uma adaptação. Só sei que odiei o tal do Padre Amaro, então pelo menos a essência de quem ele é e como se comporta deve ter sido mantida. Amo esse recurso do dicionário do Kindle!

      ResponderExcluir
    20. Olá,

      Tenho um problema com clássicos, na verdade é mais com a escrita do que com as história em si. Já ouvi falar desse, mas muito por cima. No entanto, não faz meu estilo de leitura e sendo assim deixo a dica para um outro momento.

      Beijos,
      entreoculoselivros.blogspot.com.br

      ResponderExcluir
    21. Oi flor!
      Gostei de saber mais do livro, e estou tentando ler mais clássicos também, ainda mais os brasileiros rs' gostei da premissa, acredito que mesmo com a escrita rebuscada eu ia ficar louca para saber o desfecho, irei colocar na lista!

      Beijos!
      http://blogdatahis.blogspot.com.br/2016

      ResponderExcluir
    22. Oi que resenha linda...
      Adorei a sua resenha dessa história... Li esse livro a um tempo atrás por livro pressao da escola e não curti muito... Hahaha não sou muito de clássicos..

      Beijos

      ResponderExcluir

    Eu curto literatura. Todos os direitos reservados.© - Powered by Blogger. imagem-logo