• início
  • contato
  • parceria
  • blogroll
  • Livros Resenhados

  • 08/02/2016

    Ella, enfeitiçada - Gail Carson Levine (Resenha)


    Os contos de fadas possuem diversas releituras e adaptações, seguindo ou não o rumo da história “original”. Um dos famosos contos, que recentemente ganhou filme, é o da Cinderela, a gata borralheira que sofre nas mãos das irmãs adotivas e por fim tem seu final feliz. A garota é gentil e obediente. Até certo ponto.

    Uma das releituras de Cinderela e que merece comentários é “Ella, enfeitiçada”, da escritora Gail Carson Levine, publicado pela editora Rocco em 2004. Não deixando de ser um conto de fadas, com seres místicos e seus personagens principais de Cinderela, ainda sim consegue ser um livro infanto-juvenil que merece ser lido. Ella, apelido de Eleanor – a releitura de Cinderela –, recebeu um dom logo após nascer, o que ela vem a chamar de maldição.

    “A tonta da fada Lucinda não queria jogar uma maldição sobre mim. Ela queria me conceder um dom. Ao me ver chorando inconsolável, durante a minha primeira hora de vida, minhas lágrimas lhe serviram de inspiração. Balançando a cabeça amavelmente para minha mãe, a fada tocou meu nariz.
    - O dom que eu lhe concedo é a obediência. Ella será sempre obediente. Agora, pare de chorar, menina.
    Eu parei.” (p. 7)

    O dom da obediência foi uma jogada perfeita para a história, embora tenha mudado a “essência” da protagonista, por assim dizer. Ao mesmo tempo em que isso era uma maldição foi o que tornou a personalidade de Ella forte e “rebelde”. Ella não poderia negar uma ordem, já que ao tentar desobedecer, graças ao feitiço, começaria a passar mal, dores de cabeça entre outras coisas. Desde pequena o dom se torna algo desagradável, e a garota sempre tentava retardar as ordens, tentando quebrar o feitiço e poder decidir o que fazer por si mesma, poder dizer “não”. E isso a difere da Cinderela "original", pois Ella não obedece por questões de hierarquia, respeito ou qualquer coisa do tipo, e sim devido ao feitiço lançado sobre ela.

    “Alguém sacudiu meu ombro.
    - Acorde, Ella. Acorde.
    Uma ordem. Eu estava acordada.” (p. 69).

    Há, de fato, os elementos que a tornam claramente uma releitura de Cinderela, como o sapatinho de cristal, a fada madrinha, o príncipe etc. Mesmo assim a história não deixa de ter seus diferenciais, como os ogros e Ella ser uma apaixonada por idiomas. Até mesmo o baile e a carruagem de abóbora fazem parte, mas com suas (grandes) diferenças. Um ponto do livro que chamou minha atenção fora a respeito do tamanho dos pés de Ella, que é pequeno e por isso nenhuma outra moça conseguira calçar os sapatinhos de cristal. Embora possa soar um pouquinho questionável a escolha da autora para este fato – não sei se houve algum fato anterior já escrito ou fora invenção dela –, fora algo que buscou explicar o porquê somente ela consegue calçá-los.
    Fonte: Google - Cinderella, da Disney

    Para quem gosta do conto realmente é interessante ler e ver as diferenças, que são ainda outras, como o príncipe – que não conhece Cinderela só devido ao baile, mas a conhece bem antes disso –, as irmãs adotivas de Ella, a escola de aperfeiçoamento social e a Fada Lucinda – que não é sua fada madrinha, embora tenha sido quem deu o dom a ela. Enfim, muito poderia ser dito, porém poderia acabar com a graça de ler uma das melhores releituras de Cinderela, na minha opinião.

    Ademais, há alguns elementos que poderiam ser questionáveis, como a presença inicial do sapatinho de cristal – como ele foi parar ali? Se alguém souber me responder, agradeceria, pois ainda não entendi como ele fora parar lá –, embora tenham o seu papel fundamental clássico. Enfim, é uma leitura leve e rápida, coisa de “uma sentada”, ótima para ser feita após uma leitura mais densa, por exemplo. E aí? Já leram ou se interessaram?

    8 comentários:

    1. Oi, Paula!
      Eu lembro do filme, estrelado pela Anne Hathway, se não me engano. Não sabia que havia o livro. Já anotei pra ler porque eu amei o filme.
      Beijos
      Balaio de Babados

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Oi! Pois é, tem um filme também, mas eu ainda não assisti. =x
        Espero que goste do livro também! ^^

        Excluir
    2. Olá Paula!
      Adorei sua resenha, amo essas releituras de contos de fadas! Leio todas as que encontro pela frente, vou anotar essa indicação também!
      Beijos

      http://www.blogleituravirtual.com/

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Oi! Vai gostar dessa então! =D
        É rápida de ler, bem levinha, mas muito boa. ^^

        Excluir
    3. Aun y con el obstáculo que me pudiera significar leer algo en tu lengua, me pareció propicia y bien hecha tu reseña. Gracias.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Olá! =)
        Obrigada pelo comentário!
        Se interessa por este tipo de livro? A narrativa não é difícil. Talvez seja até interessante para aprender português. :)

        Excluir
    4. Amei sua resenha, Paula! Ficou liiinda!Não li o livro, mas consegui sentir o clima magico dos contos de fadas! Não tem como não querer lê-lo depois do seu post. Mais um livro para a minha lista!
      Beijos
      Se quiser visitar meu blog, vou ficar feliz :)
      http://chuvacobertaelivros.blogspot.com.br/2016/02/entrevista-com-ava-dellaira.html

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Olá! *-*
        Que bom saber que ficou boa! Espero que aprecies a leitura também! =D

        Excluir

    Eu curto literatura. Todos os direitos reservados.© - Powered by Blogger. imagem-logo