• início
  • contato
  • parceria
  • blogroll
  • Livros Resenhados

  • 20/11/2015

    Garota, Interrompida - Susanna Kaysen (Resenha)



    Olá, pessoal!

    Neste mês de novembro, o Clube do Livro que participo escolheu o livro “Garota, Interrompida”, de Susanna Kaysen, como eu já havia comentado numa postagem anterior. Publicado pela Única – selo da Editora Gente –, a obra retrata memórias autobiográficas. Acho que o texto na orelha do livro explica bem sobre o que é:

    Estamos em 1987 nos EUA, os homens estão indo para a guerra, as mulheres segurando uma nação. A fragilidade feminina pela primeira vez dá lugar à linha de produção. O comportamento que as meninas aprenderam durante a infância está completamente perdido na adolescência. Moças e rapazes crescendo rápido. E quem não sabe o que fazer da vida vai ficando para trás.
    Susanna Kaysen tinha apenas 18 anos quando tentou suicídio. Após uma sessão nada comum de terapia pós-trauma, ela é enviada para um hospital psiquiátrico onde, nos dois anos seguintes, ficará confinada para recuperação.
    Dois anos em um hospital psiquiátrico. Mais do que suficiente para entender que a loucura não é um fator externo. É um pedido de ajuda, um movimento, uma dança que não se faz sozinho, mas o primeiro passo ninguém pode dar por você.

    Primeiramente, tenho que dizer que os capítulos são bem curtos, sem uma ordem cronológica exata, o que se torna um pouco compreensível se considerar que fora conforme a autora fosse se lembrando dos fatos. Além disso, há a presença de alguns documentos referentes ao período em que esteve no hospital psiquiátrico, relatórios de sua situação e do que consideravam ser, de fato, o motivo de ela ter ido para lá. A impressão que se tem, não apenas com Susanna, mas com outras personagens ali presentes, é de que foram parar ali injustamente. Trancafiadas e impedidas de continuar sua juventude. Em outras palavras, como o próprio título do livro mostra, que tiveram suas vidas interrompidas.

    “Cada pessoa é uma pessoa. Cada um faz o que é possível fazer.” (p. 23)

    Fonte: Arquivo Pessoal. (As corujas são minhas. *-*)
    As pessoas vivem errando, tomando decisões equivocadas e que podem ou não vir a se arrepender depois. Nem por isso são anormais, ou consideradas loucas. Como dizem, errar é humano. Mas no livro de Kaysen vê-se um questionamento interessante. Quando uma pessoa passa a ser constantemente observada, cada ação sua é analisada e tem um motivo por trás. Ao passo que pessoas que não são observadas podem fazer ações mais equivocadas e não haver importância alguma ali. O que cheguei a pensar é que, quando se tenta analisar situações nos seus pormenores, sempre se encontrará algo que, embora seja de relevância mínima, por estar sendo analisado profundamente, se tornará motivo de ações desnecessárias.
    E, sendo assim, qualquer pessoa posta num local sem muitos recursos e atividades a serem feitas, sendo medicada constantemente, não enlouqueceria? Não seria, então, o processo de “cura” uma forma de levar à “loucura”?

    “Era a nossa vida medida em doses pouco maiores do que as benditas colherinhas de café. Colheres de sopa, talvez? Colheres de lata, amassadas, transbordantes de algo que deia ser doce, mas era amargo e se esvaía, se derramava sem que pudéssemos sentir seu sabor: nossas vidas” (p. 68)

    Fonte: Arquivo Pessoal. 
    Por ser uma biografia – ou melhor, de memórias biografias – a impressão é de que será cansativo ou meio chatinho de ler. O que não acontece, pois o livro, além de ter uma leitura rápida, possui uma narrativa fluida e interessante. Ademais, acho que dá para refletir muito com esse livro, e deixo a recomendação a todos. Novamente, caso se interessem, a Helena, do Leituras e Gatices, também resenhou este livro, sugiro que confiram, pois a resenha dela está muito boa (melhor que esta minha aqui).
    Obs.: Notem que há escritos na capa, ela não é apenas toda rosa. :)



    E aí? Se interessaram? Já leram ou irão ler?

    10 comentários:

    1. Ai, Paula, que modéstia a tua. Tua resenha tá muito boa e complementa a minha. Esse foi um livro que discutimos juntas, então, eu acredito que a tua resenha passa a mesma impressão que eu passei com a minha: é um livro fluído e de leitura fácil, apesar de não haver uma sequência narrativa de acordo com o tempo cronológico.

      Parabéns pela tua escrita, Paula. Impecável como sempre!

      Ah, obrigada por, mais uma vez, divulgar meu texto ^^

      Bjs!

      http://leiturasegatices.blogspot.com.br/

      ResponderExcluir
    2. Eu realmente achei a sua melhor. xP
      Sim, sim, a conversa sobre o livro foi bem interessante e influenciou na minha visão do livro. x)

      Obrigada, e de nada! ^^

      ResponderExcluir
    3. Adorei a sua resenha.
      Beijos

      https://mysecretworldbells.blogspot.com.br/

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Obrigada! x)
        Espero que tenha se interessado pelo livro. =)

        Excluir
    4. Olá!
      Estou cada vez mais instigada a ler esse livro. Vi o filme e gostei muito!
      BJs

      EntreLinhas Fantásticas | SORTEIO 250 SEGUIDORES! PARTICIPE :)

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Olá! =)
        Bom, livro é sempre melhor que filme. x)
        Espero que goste do livro também~

        Excluir
    5. Wont que resenha linda, adorei, uma menina de 18 anos que fica dois anos de uma clica é bem louco em <3 adoreeeei.
      Beijos!
      www.atrasdpenteadeira.com

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Olá! =)
        Sim, a história é bem interessante! *-*
        Vale a pena ler~

        Excluir
    6. nossa hoje procurando um livro até vi esse no site do sub.... Mais que resenha fantastica flor . vou encomendar esse tbm.adorei !!

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Olá! Obrigada. ^^
        Espero que goste do livro também~ =)

        Excluir

    Eu curto literatura. Todos os direitos reservados.© - Powered by Blogger. imagem-logo