• início
  • contato
  • parceria
  • blogroll
  • Livros Resenhados

  • 28/12/2014

    Obrigada, Chaves: Um mês sem Roberto Gómez Bolaños

    Parece que aconteceu ontem, mas hoje faz um mês que Roberto Gómez Bolaños morreu. Depois de tantos boatos falsos na internet envolvendo sua morte desde sempre, foi muito difícil de acreditar que o cara cujos personagens ainda fazem parte da minha vida realmente havia morrido. Como boa parte dos fãs, chorei como se não houvesse amanhã, porque Chaves foi uma parte muito querida da minha infância, assim como também de milhões de pessoas.
    Embora nosso querido Chespirito fosse mexicano, sua morte teve mais repercussão do que a de muito artista brasileiro. Sua capacidade de unir pessoas era tão grande que sua morte foi inclusive noticiada pela Globo, emissora que já sofreu muito na audiência por conta do sucesso estrondoso de seus programas. Já no SBT, o que vimos foi a emissora que o adotou em 1984 tratá-lo com as maiores honras, com direito a especial, matérias com fãs, maratonas de episódios e a cobertura ao vivo de seu velório, direto do Estádio Azteca, na Cidade do México.
    E agora, um mês depois de sua morte, foi divulgado que Chapolin Colorado finalmente voltará a ser exibido pelo SBT, embora seja só para algumas cidades. Embora ainda não seja suficiente, pelo menos é melhor do que deixar o nosso Polegar Vermelho na geladeira.
    Por conta desta data, e também porque eu fiquei abalada o suficiente para não conseguir escrever uma linha que fosse a respeito de Roberto Bolaños desde o momento em que confirmaram sua morte, resolvi fazer esse texto mostrando os livros que temos a respeito das séries dele no Brasil.
    Ao longo desses quase 10 anos em que me mudei de cidade, eu coleciono tudo o que posso sobre Chaves e Chapolin, como reportagens, coisas que achei na internet e imprimi, álbum de figurinhas do desenho animado, DVDs, miniaturas e livros, pois a magia de Chaves e Chapolin é como a juventude, nunca morrerá.
    Lendo os livros, percebi que o amor dos fãs é algo realmente muito forte, já que quatro dos sete livros da minha lista foram escritos por fãs, sendo que dois deles eram Trabalho de Conclusão de Curso de faculdade. Inspirada nesses fãs e também porque as séries de Bolaños foram fundamentais para que eu tivesse mais vontade ainda de aprender espanhol, quando conclui meu curso desse idioma o tema da minha monografia não poderia ser outro.
    E foi assim que, em 2010, eu escrevi uma monografia em espanhol sobre esses personagens tão queridos, que foram criados pelo homem que mudou para sempre o significado das letras CH.

    E agora, vamos ao breve resumo que fiz de cada livro que fala sobre as séries de Bolaños:

    Chaves: Foi sem querer querendo?

    Inicialmente escolhido como tema do Trabalho de Conclusão de Curso dos jornalistas Luís Joly, Fernando Thuler e Paulo Franco, o livro-reportagem que conta como a turma da vila chegou ao nosso país e se tornou um fenômeno de audiência foi lançado em 2005 pela Editora Matrix.
    Primeiro livro sobre o seriado no Brasil, Chaves: Foi sem querer querendo? conta detalhes da chegada do seriado ao país, junto com um lote de novelas mexicanas compradas pelo  SBT, e também da resistência dos diretores da emissora em colocar aquele programa tão diferente no ar. Defendido por Silvio Santos, que acreditou no produto desde o início, Chaves estreou no Brasil em 25 de agosto de 1984, a princípio no Programa do Bozo.
    Com o tempo, aquele menino que vivia em um barril e sua turma se tornaram um sucesso tão grande no Brasil que foram exibidos até em horário nobre, muitas vezes inclusive dando dor de cabeça para a Rede Globo em termos de audiência.
    Além desse início de Chaves no Brasil, o livro traz uma breve biografia dos atores do elenco, dos personagens e curiosidades sobre o seriado, que neste ano completou 30 anos de exibição no SBT.


    Chaves e Chapolin: Sigam-me os bons

    Desta vez escrito apenas por Luís Joly e Fernando Thuler, o livro lançado em 2006 pela Editora Matrix traz um guia detalhado dos episódios de Chaves e Chapolin, contando resumidamente a história dos principais episódios dessas duas séries tão famosas.
    Além disso, o livro traz cifras de algumas canções e também as letras de todas elas, um quiz com sobre mais de 600 perguntas no total, trazendo questões não só sobre Chaves e Chapolin como também a respeito dos principais personagens.









    Sin querer queriendo – Memórias

    Escrita por Roberto Gómez Bolaños e lançada em 2006 pela Editora Aguilar, a autobiografia dele conta desde acontecimentos de antes de seu nascimento até o momento em no qual estava vivendo na época que estava escrevendo o livro. Embora nunca tenha sido traduzido para o português, não é difícil entender o que se passa nas histórias do livro de Chespirito, mas é bom ter um dicionário de espanhol por perto porque algumas palavras não são muito usadas e nem sempre dá pra entender apenas pelo contexto da frase.
    Entre as histórias pouco conhecidas de nosso eterno Chaves estão: Um fato que quase o impediu de nascer, detalhes de sua infância humilde na Cidade do México e a relação com os amigos dessa época, a importância dos comediantes Viruta y Capulina para a sua trajetória profissional, como foi formado o elenco que nos faz rir até hoje, seu casamento com Graciela Fernandez e a paixão avassaladora (e por muito tempo platônica) por Florinda Meza.


    Chaves de um sucesso

    Lançado pela Editora Senac Rio em 2006, o primeiro livro de Pablo Kaschner a respeito da série de Bolaños surgiu inicialmente como a monografia do Trabalho de Conclusão de Curso do autor, que se formou em Rádio e TV.
    Com uma estrutura típica de monografia, Chaves de um sucesso mostra as histórias por trás daqueles personagens que conhecemos desde a infância, mas que dessa vez aparecem acompanhados de explicações aprofundadas e também de conceitos, que fazem parte da investigação acerca do fenômeno de audiência que os programas Chaves e Chapolin se tornaram principalmente na América Latina, sendo reprisados há décadas.
    Além disso, traz também uma discussão sobre a relação entre ídolo e fã, que no caso desses seriados se torna mais forte a cada geração.




    Seu Madruga: Vila e Obra

    O segundo livro de Pablo Kaschner veio com uma proposta inovadora: em vez de capítulos normais, cada um dos quatorze capítulos, cuja numeração é feita de trás pra frente, correspondiam a aluguéis que Seu Madruga ia pagando ao Senhor Barriga conforme a pessoa avança na leitura do livro.
    Além disso, com exceção do Diário do Chaves, que foi escrito pelo próprio Chespirito, vulgo Bolaños, esta é a primeira vez que se lança um livro focando em um personagem e a importância que ele tem dentro e fora da TV, ainda que para falar dele tenha que mencionar não só os outros personagens dos seriados como também os que foram interpretados por Ramón Valdés.
    Um ponto alto desse livro é que, além de todas as curiosidades envolvendo a ‘persona’ do nosso Madruguinha, Pablo Kaschner mostrou que a carreira de Don Ramón Valdés foi muito maior que apenas o célebre Seu Madruga, pois teve uma filmografia imensa, participando de quase 100 filmes, e também interpretou vários personagens nos programas de Bolaños, como Tripa Seca, Super Sam, Peterete, Conde Terra Nova, Pirata Alma Negra e Racha Cuca.   



    Diário do Chaves

    Lançado por Roberto Gómez Bolaños em 2005, ano em que Chapolin Colorado completou 35 anos de existência, o livro mostra um Chaves um pouco diferente daquele que vemos desde sempre no SBT.
    Embora seja o mesmo personagem, com aquelas roupas que conhecemos, que mora na vila com Chiquinha, Quico, Dona Florinda, Seu Madruga e todas aquelas figuras tão presentes na nossa vida, ainda que, no caso de muita gente, apenas durante a infância, o Chaves não tem aquele jeito inocente que aprendemos a amar.
    Como o livro conta o que aconteceu com Chaves antes de ele ir para a vila, descobrimos que ele não conheceu o pai e foi abandonado pela mãe, com quem viveu por um tempo. E depois, morou um tempo num orfanato, no qual judiavam dele e sempre o deixavam sem comer, que era sua maior felicidade na vida. Ao fugir de lá sofreu bastante, pois tinha fome e muito medo das ruas, que eram bem escuras, revelando assim um Chaves muito mais sofrido do que imaginávamos. Bolaños narra no livro também histórias do personagem depois que ele chega à vila, narrando também situações que as envolvem.
    Dos livros que li sobre Chaves esse foi o que menos gostei, embora tenha ficado super empolgada para comprá-lo quando descobri sua existência. Embora os personagens fossem os mesmos, vê-los fazendo coisas que não condiziam com o que acontecia no seriado e também atitudes que os afastavam da imagem que eu tinha sobre eles me incomodou muito. Entretanto, hoje em dia eu entendo que o livro era diferente da série porque ali Bolaños podia abordar alguns assuntos de forma mais explícita, como, por exemplo, abandono, fome, maus tratos, pobreza e outras coisas que não podiam ser discutidas tão abertamente num programa humorístico da década de 1970.

    Chaves: A história oficial ilustrada

    Lançado em 2012 pela Editora Televisa com o título Chespirito – Vida y magia del comediante más popular de América (no Brasil pela Universo dos livros), essa sem dúvida é a obra mais completa sobre a carreira de Chespirito, trazendo até mais detalhes do que a autobiografia dele em alguns momentos.
    Focado totalmente na vida e na obra de Roberto Gómez Bolaños, esse livro traz muitos fatos que quem não leu a autobiografia em espanhol não conhece, como o tempo em que teve muito êxito trabalhando como roteirista dos humoristas Viruta y Capulina no rádio, na televisão e também no cinema.
    Além do trabalho desenvolvido com a dupla, mostra também outros filmes roteirizados por Bolaños, sua carreira também como diretor, produtor, ator e também como escritor. Entre os feitos de Bolaños sem ser os programas que conhecemos estão peças de teatro, filmes, livros, a direção de uma novela escrita por Florinda Meza e também a Fundação Chespirito, responsável por levar saúde, educação e suporte social e familiar a milhares de crianças mexicanas desamparadas como o Chaves.
    Paralelo a tudo isso, o livro também traz detalhes da vida pessoal do ator, como a infância, o casamento com Graciela Fernández e também a união com Florinda Meza, com quem não teve filhos por ter feito uma vasectomia anos antes. Algumas das partes mais interessantes do livro são as cartas escritas pelas filhas de Bolaños, nas quais elas contam um pouco da relação com o pai e lembranças inesquecíveis que tem dele.

    Embora Chaves: A história oficial ilustrada seja basicamente uma biografia de Chespirito, ela ignora pontos importantes da vida do ator, como o rompimento dele com Carlos Villagrán e Maria Antonieta de Las Nieves. Não é possível que ninguém possa contar aos fãs o que realmente aconteceu para que eles se afastassem tanto, todos queremos e merecemos saber, porque, afinal de contas, os conhecemos desde sempre, são como se fossem da nossa família por conta do tempo presente em nossa vida e também da importância e da lembrança que esses programas nos trazem.

    E então pessoal, vocês também gostam de Chaves, Chapolin e outros personagens de Bolaños? Leram algum dos livros que falei? Me contem nos comentários.

    7 comentários:

    1. Não tenho vergonha de dizer que Bolaños foi o primeiro artista que me fez chorar pela sua morte, chorei por mais de vinte minutos, de soluçar, era como se um familiar estivesse ido embora para sempre, minha vida passou por meus olhos.

      Dentre esses livros eu sou muito feliz em ter o Diário do Chaves, adoro a escrita, acho emocionante, lindo e puro.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Eu fiquei arrasada demais com a morte do Bolaños, não conseguia parar de chorar. Depois de tanta notícia falsa a respeito da morte dele, demorou até cair minha ficha que dessa vez não era boato de internet :(
        Quando você tiver oportunidade, leia esse último livro da lista, traz detalhes incríveis da carreira dele, era realmente um gênio.

        Excluir
    2. Oi, tudo bom?
      Chaves (e apesar dos seus demais personagens e do seu nome real, eu nunca conseguirei deixar de chamá-lo de Chaves) foi uma grande personalidade, e apesar de agora ele não estar mais entre nós, seu trabalho e sua alegria serão eternos e nunca deixarão de nos contagiar e nos fazer rir. Uma das coisas que sempre me chamou a atenção no Chaves, foi o humor LIMPO, ta faltando isso aqui! O pessoal anda apelando para o sexo em tudo: musica, humor, novelas.. Não que seja ruim, mas o nível está caindo e parece que ninguém tem mais o que falar.
      Nunca li um livro inspirado no Chaves, mas eu adoraria com certeza!
      Beijos e parabéns pelo blog!
      http://resenhandoaarte.blogspot.com/

      ResponderExcluir
    3. Chaves sempre sera eterno, nao é?


      Beeijos, te espero lá no meu blog ♥

      http://www.paaradateen.com
      http://www.facebook.com/PAARADATEEN

      ResponderExcluir
    4. Nossa, adorei seu post! Sempre gostei muito de Chaves e Chapolin, inclusive tenho um vinil com a trilha sonora da série que é meu xodó <3333333
      Vou procurar mais sobre esses livros, pra entender um pouco mais o universo do seriado.

      http://www.bilhetedagarrafa.com.br

      ResponderExcluir
    5. Que saudade do nosso Chavinho :(( Eu passava horas na frente da televisão assistindo os episódios e, por mais bobos que fossem, eles me faziam rir muito. No dia que ele faleceu me senti mal pra caramba, porque acompanhava toda a história, o elenco, fez parte da minha infância inteira e acabar assim, foi horrível. Mas tudo bem, ninguém é eterno né, tenho certeza que ele está fazendo muitas trapalhadas lá por cima.

      ResponderExcluir
    6. Excelente postagem, aliás ele foi e sempre vai ser um ícone para muitas pessoas. Ele foi o único humorista que com coisas simples tirava risadas da gente, e tira até hoje!!!
      É a prova de que não é preciso chingar ou falar indecências para ser engraçado.
      Beijos flor!
      http://blogdakarulina.blogspot.com.br/

      ResponderExcluir

    Eu curto literatura. Todos os direitos reservados.© - Powered by Blogger. imagem-logo